A maior solidão

A maior solidão é a do ser que não ama.
A maior solidão é a dor do ser que se ausenta, que se defende,
que se fecha, que se recusa a participar da vida humana.

A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo,
no absoluto de si mesmo, o que não dá a quem pede o que
ele pode dar de amor, de amizade, de socorro.

O maior solitário é o que tem medo de amar,
o que tem medo de ferir e ferir-se, o ser casto da mulher,
do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como uma lâmpada triste,
cujo reflexo entristece também tudo em torno.

Ele é a angústia do mundo que o reflete.
Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes de emoção,
as que são o patrimônio de todos, e, encerrado em seu duro privilégio,
semeia pedras do alto de sua fria e desolada torre.

Vinícius de Moraes

Amigos

Eu talvez não tenha muitos amigos.

Mas os que eu tenho são os melhores
que alguém poderia ter.

Além disso tenho sorte, porque os
amigos que tenho têm muitos
amigos e os dividem comigo.

Assim o meu número de amigos sempre
aumenta, já que eu sempre ganho
amigos dos meus amigos.

Foi assim aqui, uns eu ganhei há tempos,
outros são mais recentes.

E quem os deu não ficou sem eles,
pois a amizade pode sempre ser
dividida sem nunca diminuir
ou enfraquecer.

Pelo contrário, quanto mais dividida,
mais ela aumenta.

E há mais vantagens na amizade:
é uma das poucas coisas que não
custam nada e valem muito,
embora não sejam vendáveis.

Entretanto, é preciso que se cuide um
pouco das amizades. As mais recentes,
por exemplo, precisam de alguns cuidados.
Poucos, é verdade, mas indispensáveis.

É preciso mantê-los com um
certo calor,falar com eles mais
amiúde e no início, com muito jeito.

Com o tempo eles crescem, ficam
fortes e até suportam alguns trancos.

Os mais antigos, já sólidos, não exigem
muito, são como as mudas das plantas,
que depois de enraizadas, parecem
poder viver sem cuidados, porém não
podem jamais ser esquecidas.

Algo é preciso para mantê-las vivas.

Prezo muito minhas amizades e
reservo sempre um canto no
meu peito para elas.

E, sempre que surge a ocasião, também
não perco a oportunidade de dar um
amigo a um amigo, da mesma forma
que eu ganhei vocês.

E não adiantam as despedidas.
De um amigo ninguém se livra fácil.

A amizade além de contagiosa
é totalmente incurável. “

Vinícius de Morais

Parabéns Léo!

Hoje, 3 de Setembro, é aniversário do meu irmão e brother Leonardo Rocha.

Léo, quero que saibas que te amo.

Saibas que tu és parte indissociável do meu ser.

Li um verso de Vinicíus de Moraes e quero com ele te homenagear:

O VELHO E A FLOR

Por céus e mares eu andei,
Vi um poeta e vi um rei
Na esperança de saber
O que é o amor.

 

Ninguém sabia me dizer,
Eu já queria até morrer
Quando um velhinho
Com uma flor assim falou:

 

O amor é o carinho,
É o espinho que não se vê em cada flor.
É a vida quando
Chega sangrando aberta
em pétalas de amor.

 

Vinícius de Moraes

O amor pode ser assim, uma dor, uma alegria, mas na verdade é como uma flor: Precisa ser regada, cuidada e adubada para viver exalando perfume e deixando seu rastro de beleza em flor.

Mano, tu és o exemplo da flor, pois onde quer que vás, és amor.

Tu és exemplo de trabalho, verdade e humildade. Tu és uma bênção nesta terra de loucos, egoístas e insanos de verdade.

Te amo, mano.

A distância pode não permitir sempre nos encontrarmos, mas em meu peito, alma, vida e verdade tu estás sempre presente, mesmo que seja com a saudade.

Te amo, mano.

Que Deus-Pai sempre te reserve o melhor para ti e para o Arthur, que é a uma bênção de continuidade na tua vida.

Te amo.

Parabéns, paz, saúde e felicidade.

Te amo, de verdade.

Saudade mano. Até breve. Te cuida. E que Deus te abençoe e guarde, sempre.

 

Do teu mano metido a poeta e que muito te admira,

Gustavo Rocha