Anjos e demônios

“Um homem só encontra a mulher ideal quando olhar no seu rosto e ver um anjo e, tendo-a nos braços, ter as tentações que só os demônios provocam…” – Pablo Neruda

Apesar de muitos apenas pensarem na conotação sexual da frase do Neruda, penso que ela é bem mais abrangente.

Nos sentimos completos quando podemos confiar em alguém (anjo). Nos sentimos amados quando alguém nos olha de maneira mais forte (tentação).

É na cumplicidade e no amor que a felicidade se torna plena, como se estivéssemos no paraíso. É na volição com a pessoa amada que a sexualidade se completa, ou seja, o que acontece entre quatro paredes somente interessa aos envolvidos.

Para amar uma mulher, precisamos senti-la em nossas veias, saber que ela precisa de carinho e de independência, não necessariamente nesta ordem. Prende-la não leva a felicidade, mas deixa-la sozinha também não.

Queremos um anjo que não seja tão anjo assim e um demônio que não exorcize aquilo que temos de bom.

Queremos um altar para nossos amores e uma cova para nossos pudores.

Queremos sensibilidade no amor e força na paixão, não necessariamente ao mesmo tempo e nesta ordem.

Todos queremos encontrar uma mulher como descreveu Neruda, contudo, em todos os aspectos e não apenas naqueles de alcova, não é mesmo?

 

Beijo no coração das gurias e abraço nos xirús!

Gustavo Rocha

Blog do Gustavo Rocha – PensarFazBem

gustavo@gestao.adv.br  |  (51) 8163.3333  |  www.blogdogustavorocha.com.br

Dia do homem, uma reflexão.

Dia do homem, uma reflexão.

(escrito por Gustavo Rocha, homem, com convicção)

 

Hoje, 15 de Julho se comemora (?!) dia do homem. Talvez, muitos de vocês nem saibam ou não se importem com isto.

A reflexão que penso nesta data não tem a ver com o homem, macho, másculo, reprodutor em si. Quero trazer um pensamento sobre a humanidade como um todo.

Temos acompanhado cada vez mais pessoas brigando com outras, pessoas sendo ruins, más, verdadeiras aberrações com o nome de seres humanos. Muitos destes casos são provocados por homens (mulheres o fazem, mas em menor escala).

Afinal, o que define ser homem?

Para algumas pessoas, ser homem significa ser macho. Não poder chorar, não poder sentir nada.

Para outras, ser homem significa ser alguém que conserte coisas, que mate baratas e ainda esteja sempre por perto.

Para outras ainda, significa ser alguém que dorme/transa com o maior número de mulheres possíveis, um verdadeiro garanhão reprodutor de camisinha para não ser incomodado pelos filhos depois.

Discordo de todos.

Sou homem porque sou um misto de sentimento e razão, sempre buscando na razão o equilíbrio para o amor que invade e pulula no meu peito.

Sou homem não pelas mulheres que tive, pois foram poucas em número, mas foram todas muito intensas.

Sou homem porque acredito que posso fazer uma mulher feliz dia após dia.

Sou homem porque trabalho incansavelmente para amar a vida, as pessoas que cercam o meu caminho, cada uma na sua forma.

Como assim?

Amar alguém não significa unicamente ir pra cama com este alguém (pode ser no sofá também… hehehe).

Amar alguém significa dividir o que de mais sagrado tenho em mim mesmo: Eu.

Amar alguém significa dividir meu tempo, meu carinho, meus porquês, meus pensares e achares, talvez discordar, mas sempre concordar que amamos porque somos o que somos e não aquilo que outros querem que sejamos.

Acredito fortemente que amo algumas pessoas. Noutras, tenho certeza. Noutras ainda, nunca duvidei.

Contudo, o que me faz mais forte é saber que posso amar profundamente sem ferir o meu eu, a minha essência, a minha verdade.

Sou homem porque amo. Isto basta.

O que seria de nós, homens, sem o amor? Um punhado de reprodutores sexuais que pensam com a cabeça de baixo esquecendo que é na de cima que está o equilíbrio da razão de nossas vidas.

Não precisa ser apenas o amor da pessoa companheira/esposa/amada.

Amo pessoas que sequer sabem disto. Amo o jeito delas. Amo a forma como são. Amo e admiro muito cada passo em suas vidas.

Algumas destas pessoas posso expressar isto, pois sabem compreender este amor sincero, verdadeiro, altruísta.

Outras, preciso ser silente, pois achariam outras coisas.

Sabe, amar não significa querer sexo, embora sempre alguém diga que isto é verdade.

Amor entre um homem e uma mulher pode ser medido pelo carinho, atenção, verdade que dividem um com outro. Para ser um amor carnal precisa mais do que isto. Precisa de um espaço dentro do teu coração que não pode estar preenchido, pois se assim estiver, não caberá mais ninguém neste sentido. O amor completo é verdadeiro e transborda a nossa essência, se traduzindo em si no verdadeiro amor. Este amor é único e para uma pessoa. Uma por vez.

É utópico dizer que amamos uma pessoa para a vida inteira. Amamos alguém naquele momento da nossa vida. E podemos fazer daquele momento outro momento e assim por diante levando uma vida inteira de momentos.

Agora, se o momento acabou, acabou. Outros momentos virão e te farão feliz. Outros momentos serão importantes com outra pessoa transbordando o teu viver.

Amo. Acredito que no amor somos homens e não por outros porquês.

Isto é ser homem, não é?

Se não for, me chamem de outra coisa, tá?

Não me interessa o rótulo. Me interessa o conteúdo e ponto final.

Beijo no coração das gurias e abraço nos xirús!

Gustavo Rocha

Blog do Gustavo Rocha – PensarFazBem

gustavo@gestao.adv.br  |  (51) 8163.3333  |  www.blogdogustavorocha.com.br

 

 

Divagações da minha mente

Somos o que somos, formados por aquilo que fomos, pensando sempre naquilo que seremos.

Nossa existência é baseada naquilo que acreditamos, naquilo que pensamos, naquilo que decidimos.

O que sou hoje, agradeço ao ontem, projeto para um amanhã melhor.

A maior dificuldade é saber o que sou, como sou, como estou e como serei. Como fui? Já sei, analisei e principalmente corrigi.

Já me apaixonei mais de uma vez. Já amei mais de uma vez. Tenho convicção que o amor não é um só e nem sempre é para sempre, mas o amor que hoje sinto é tão belo, sincero, maduro e poético, como nunca antes havia sentido e com certeza menor do que sentirei no meu amanhã.

Já chorei e sofri por pessoas e fatos. Algumas vezes por fatos que pessoas queridas fizeram, ou até mesmo, e quiçá principalmente, por fatos que não fizeram.

Tudo que fazemos gera expectativa. Sempre esperamos do próximo algo em troca, mesmo que este algo seja um sorriso, uma ligação, um alô, um beijo de saudade. Dizer que fazemos de maneira a não esperar nada é utópico, para não dizer irreal.

Óbvio, somente posso falar por mim, e se você ler este artigo daqui a um mês, talvez até pense diferente dele e de tudo que nele escrevi. Aprendi com Alexandre Herculano que não devo me envergonhar de mudar de opinião, pois não posso me envergonhar de aprender e evoluir.

Sou mais do que as palavras podem descrever, menos daquilo que acho que sou, talvez a exata medida daquilo que tenho a dizer e sinto ao existir.

Sou Gustavo Rocha, seria esta a minha definição? Não importa quem sou. Importa minhas atitudes, minha forma de ver o mundo, minha essência em sentir as pessoas e nelas ver o amor, bondade e força de Deus-Pai. ELE sim, importa.

Ah! Divagações, divagações, divagações… O que seria de mim sem elas? Não sei, sou parte delas…

 

Beijo no coração das gurias e abraço nos xirús!

Gustavo Rocha

Blog do Gustavo Rocha – PensarFazBem

gustavo@gestao.adv.br  |  (51) 8163.3333  |  www.blogdogustavorocha.com.br