Ser pai é aprender a amar

Minha homenagem a todos os pais neste dia tão especial, será com um texto meu de carinho, verdade, amizade e amor:

 

 

Ser pai é aprender a amar

(Escrito por Gustavo Rocha pelo dia dos pais de 2018, em 12/08/2018)

 

Ser pai

É padecer no paraíso, segundo alguns,

É ter filhos, filhas e aprender muito em pouco tempo,

É muito mais do que trocar fraldas, vestir, alimentar:

É ter o coração fora do teu peito, por tanto amar;

 

Fui pai por escolha, por batalha, porque quis;

Amei cada segundo, escrevi(o) diário delas, estou presente,

Entretanto, o que realmente vale a pena:

É quem me tornei depois de tanto amor que recebi e dei;

 

Sou um homem melhor hoje,

Não apenas por ser pai, 

Mas porque o amor que hoje tenho,

Jamais antes senti e vivi;

 

As duas me ensinam diariamente que devo aprender mais do que palavras, verbos e mímica:

Aprendo que observar olhos, boca, sorriso é tão essencial quanto a verdade do universo curvo de Hawking,

Que o toque de dedos que circundam o meu dedo indicador significam tanto quanto todo o trabalho da minha vida,

E que se quero realmente fazer a diferença pra vocês, pouco importa se estou barbudo, gordo, cansado ou molhado:

Importa se estou sorrindo, brincando e com vocês vivendo a mágica infância quase esquecida e agora plenamente vivida!

 

Um amor infantil sem ser pueril,

Verdadeiro sem deixar de ser sincero,

Sentido a cada instante, sem deixar de ser eterno,

Amor, no melhor sentido que esta palavra pode significar:

Amor por ser pai de duas filhas lindas que tanto amo amar!

 

Não desmerecendo todo o resto da minha vida,

Contudo, ser pai é o momento mais único, singular é essencial da minha existência divina,

E só me resta dizer do fundo do meu coração:

Obrigado Laura e Marinna por me permitirem ser o seu pai,

Obrigado Polliana por permitir que do nosso amor elas pudéssemos gerar,

Obrigado a vocês três, mulheres da minha vida, por me ensinar que muito ainda tenho a aprender a amar!

Parabéns a Marisa!

Divido dois versos que fiz em homenagem a minha mamãe Marisa que completou mais um ano de vida em 06/07/2018:

Benção divina

(Escrito por Gustavo Rocha para Marisa Rocha no dia do seu aniversário em 06/07/2018)

 

Hoje é dia seis,

Data do teu nascimento,

Data também da Laura e da Marinna,

Netas que nasceram como homenagem no mesmo dia!

 

Todas tem festa no sexto dia,

Seja aniversário ou mesversário,

Só alegria e felicidade,

Numa data ímpar de verdade!

 

Mas, hoje, seis de Julho,

Os parabéns são pra ti, mamãe querida,

Parabéns por mais um ano de vida,

Parabéns por seres o amor da minha vida!

 

Que Deus-Pai te ilumine e guarde,

Traga boas novas de saúde, força e bondade,

Sejas a plenitude de tudo de bom que contigo aprendemos:

Sejamos o amor sincero e verdadeiro!

 

Muita luz e brilho na tua trilha,

Sempre sendo renovação em cada passo dado do caminho,

Rodeada daqueles que te amam em puro alinho,

Assim brindamos o dia ao teu lado com carinho!

 

Parabéns mamaezinha querida,

Parabéns e muitos anos de vida!

Somos mais felizes por existires em nossas vidas,

Somos mais felizes em ter em ti a benção divina!

 

**************************

 

Hoje

(Escrito por Gustavo Rocha para Marisa Rocha em 06/07/2018)

 

Hoje é aniversário da vida,

Da minha vida,

Daquela que me deu a vida,

Do amor da minha vida;

 

Hoje, alegria pouca é bobagem,

É essencial ter ela ao meu lado,

Para felicidade plena,

Verdade pra lá de buena;

 

Hoje, seis do sete,

Data que os astros te trouxeram a este mundo,

Por tanta conexão tua comigo,

Até minhas filhas nasceram no dia seis cada uma,

Cúmplices de uma data abençoada na nossa vida;

 

Te amo mãe, minha doce mamãe;

Sei que este amor veio de outras existências,

Posto que não cabe numa vida apenas,

Rima com eterno e sincero em cada olhar que trocamos de forma plena!

 

Que Deus-Pai abençoe teus passos,

Com saúde, amor e verdade,

Sejas sempre este doce de pessoa que és,

A nossa Marisa, Marisinha, mamãe querida,

Que engrandece a nossa vida,

Em cada nota sentida;

 

E, por derradeiro,

Te amamos por inteiro,

Um beijo e abraço apertado,

Do filho que hoje também é pai e que te ama por completo!

Quando chega a morte

Que sejamos como está reflexão: amor em cada instante na nossa vida, para que na passagem haja apenas saudade de todo amor que foi compartilhado!

Quando chega a morte

Ela é a indesejada. Ninguém que a convide. Sobretudo quando o amor preside as relações, a felicidade sorri e a vida é um constante recolher de bênçãos.

Milênios de Cristianismo com a lição da imortalidade testificada pelo Mestre dos mestres, ainda não nos penetrou a todos.

Por isso, toda vez que ela alcança um dos nossos amores, um amigo, um ídolo, um colega, lamentamos.

E continuamos a nos servir de expressões que se tornaram praxe para essas ocasiões: É com pesar que noticiamos a morte de…

Lamentamos a perda do seu ente querido.

Receba nossos pêsames.

A tristeza é a nota sonante. Por isso, algumas pessoas chamam a atenção pela sua postura ante a morte.

Recentemente, alguém influente de cidade do Interior do Estado morreu, depois de quase dois anos de luta contra a enfermidade cruel que o abraçou.

O que vimos foi uma movimentação maciça de instituições civis, religiosas, pessoas de todas as classes.

Flores e mais flores foram se acumulando, no local onde estava exposto o corpo para a visitação.

Uma música suave se derramava pelo ambiente, convidando os presentes ao silêncio respeitoso, à oração.

No momento de ser fechado o caixão para a condução ao túmulo, a esposa desejou falar.

Emocionada, mas firme, ergueu sua voz:

Amigos que aqui vieram prestar a última homenagem ao meu marido, recebam minha gratidão.

Agradeço as manifestações de solidariedade, os abraços, o carinho.

De alguns ouvi comentários de como deve ter sido duro o período da enfermidade do Marcelo.

De como deve ter custado a nós, os familiares, muito sofrimento os longos meses de cirurgias, quimioterapias e tudo que as acompanhou.

Saibam que esses dois últimos anos nos foram muito especiais. Não posso dizer que não houve dias de aflição, de angústia.

No entanto, desde o momento do primeiro e terrível diagnóstico, firmamos um pacto: ele, nossos filhos e eu.

O trato era de que, não importando o que acontecesse ou quando ocorresse a morte, o tempo que tivéssemos seria usufruído com estreitamento dos nossos laços afetivos.

Ficou estabelecido entre nós que a cada noite, antes do recolhimento ao leito, desejaríamos uns aos outros uma boa noite. Isso sempre entremeado de abraços e beijos.

E jamais iniciamos o dia sem igual procedimento.

Exercitamos o amor mais do que nunca.

Então, desejo que todos saibam que esses dois anos não foram pesados. Foram meses e meses de uma semeadura de amor.

Tudo para que, quando ele partisse, seguisse em paz.

E nós, os que o amamos, igualmente tranquilos, dele nos despedíssemos com um simples até logo.

As vibrações afetivas que trocamos nos manterão, saudosos, mas sem desespero, até o momento do reencontro.

Quando sua voz emudeceu, discretos soluços de emoção se escutaram, aqui e ali.

Uma aragem de paz soprou mansamente pela sala. A mensagem da certeza imortalista soprou de leve sobre todos.

Belo testemunho de quem, tendo colocado a mão no arado da fé, não se permitiu olhar para trás.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita.

Em 1º.5.2018.