Mulheres, exemplo.

Nasci de uma mulher e foi ela que me ensinou boa parte do que sei,

Tive a felicidade incomparável de ter uma irmã,

Para assim saber como conviver, respeitar e amor fraternal,

Sem esquecer nesta relação de igualdade, irmão e pai sempre fizeram parte;


Durante a existência sempre estive rodeado de mulheres e homens,

Até o dia que tudo deu certo para conhecer aquela que dividiria meus segundos todos os dias:

De longe, pela internet, improvável:

Aí está a Polliana pra dizer o contrário;


E desta união fraterna, amorosa e com seus altos e baixos,

Nasceram duas outras mulheres que tenho orgulho de chamar de filhas,

As quais nesta data singular do calendário,

Homenageio todas com meus sonhos e rimas;


Pois, através das mulheres singulares da minha vida,

Quero clamar respeito, amor, vida, carinho, amizade,

Quero clamar, por incrível que pareça, igualdade,

Quero que tudo isto seja pra elas uma verdade;


Que possam viver num mundo onde não exista diferença por gênero, credo ou pensamento,

Que possam viver por viver e não morrer, por serem mulheres,

Que possam fazer suas escolhas e seguir em frente,

Sem medos, preconceitos ou tabus: Sejam escolhas iguais, diferentes ou transversas.


Utopia?

Depende.

Depende apenas de nós.

Apenas das nossas escolhas.


Nós como coletivo temos que fazer as mudanças,

Entretanto, o coletivo só existe com o indivíduo,

E é de maneira própria, única e pessoal que a mudança ocorre,

Portanto:


Repense suas escolhas,

Repense sua forma de agir,

Não seja aquilo que não gostaria pra si mesmo,

E quem sabe assim, teremos um início de uma longa caminhada de autoconhecimento, transformações e novas verdades.


Com as mulheres da minha vida aprendi desde caminhar, estudar, sentir,

Passando a ver da vida algo diferente de mim ou meu irmão,

Depois percebi que nada sabia sobre este outro lado da sexualidade,

Aprendi a ver com os olhos de quem ama a verdade;


E com amor, verdade, carinho e tantos outros predicados bons,

Nasceram duas meninas que me ensinam todos os dias a ser um homem e principalmente pai melhor,

Para que elas tenham um mundo mais justo e fraterno no seu desenvolvimento,

E possamos todos, juntos, existir com justiça neste universo, reflito:


Mude. Ame. Escolha. Racionalize.

Seja a mudança de uma gota diante de um oceano de problemas.

Nas palavras da Madre Tereza de Calcutá: Posso ser uma gota diante do oceano, mas sem esta gota ele seria menor.

Sejamos água, mudança, sempre, todos os dias.

Assim seremos uma sociedade melhor para todos nós.


Beijo no coração das gurias e abraço nos xirús!

Gustavo Rocha

Blog do Gustavo Rocha – PensarFazBem

gustavo@gustavorocha.com  |  (51) 98163.3333  |www.blogdogustavorocha.com.br

Fonte: https://pixabay.com/pt/photos/filha-do-pai-dia-do-pai-feliz-1476167/

Como você me conhece?

Como você me conhece?
(Relato de Gustavo Rocha ao mundo neste dia dos pais em 2019)

Para muitos, um advogado que já não advoga, exerce consultoria nas áreas de gestão, tecnologia e marketing jurídico.

Para outros tantos, um membro da família.

Para outros, filho da viúva.

Para outros ainda, amigo, colega e parceiro de negócios.

Entretanto, mesmo diante de tantos conhecidos, conhecidas e adjetivos destas relações, há uma, em particular, que realmente me define.

Há mais de 5 anos anos tive uma notícia que esperei uma vida inteira: Minha esposa estava grávida. Além da felicidade, alegria e amor, estava prestes a experimentar uma sensação única, singular, imortal: Acompanhar uma vida ser gerada, nascer e se desenvolver.

Há dois anos, mais uma vez Deus-Pai nos brindou com esta mágica do universo: Gerar uma vida! E nossa segunda filha veio ao mundo nos alegrar com seu sorriso, carinho e simpatia.

E mesmo depois de tantas emoções, tanto amor, tem uma palavra que emociona, me acalma, me faz um ser humano melhor: Papai.

Cada vez que escuto das minhas filhas isto, que muitas vezes é acompanhado de um “te amo papai”, ou mesmo que seja “papai fiz cocô, vem me limpar”! É sempre uma emoção única, que me remete a um tipo de sentimento que não é carnal, não é quiçá deste mundo: É um sentimento que nos liga muito próximo do amor que Deus descreve em cada ser que criou, em cada palavra que nos anunciou.

Quem REALMENTE me conhece, sabe que ser pai é o adjetivo que melhor me define.

Posso receber elogios, comendas, demonstrações de afeto e carinho, contudo, as minhas meninas tem uma chave conectada ao meu peito, ao Universo e a Deus de uma maneira que jamais senti antes, nunca é igual: O chamado de pai, paiê, papai, meu amor (como a minha filha me chama às vezes) e tantas outras formas que não existe outro prazer no mundo maior do que este.

Respeito quem não quer ter esta experiência, respeito quem vê beleza muito maior do que esta em outras coisas da vida, porém, respeite a minha verdade: Ser pai é o que me define de verdade!

E se como você me conhece não é nesta vertente, saiba que para falar da paternidade, das minhas verdades, não meço esforços, carinho e tempo.

Só vamos combinar o seguinte: Não me faça perder tempo. Sempre pense quando quiser ocupar o tempo do outro em o que o tempo daquela pessoa vale. Para muitos, tempo é dinheiro. Para outros, lazer. Para outros, amor. Para mim, tempo é tudo que posso estar ao lado deste sentimento singular da minha existência.

Então, o tempo ao meu ver, tem que ser tão bem utilizado que valha a pena estar longe deste amor verdadeiro, que me preenche inteiro e me faz acreditar que a humanidade ainda tem jeito, apesar de tantos maus exemplos.

E com este breve relato, deixo meu singular abraço, carinho e amor desmedidos, pois quando aprendemos que o amor vem de algo maior do que as coisas mundanas, sabemos que não extingue, finda ou acaba: Se renova a cada olhar, carinho e troca. 

E para todos que podem amar seus rebentos, sejam eles de coração, sangue ou afeição, com este amor tão lindo no seu coração, afirmo com o meu coração repleto e agradecido: PARABÉNS PAPAI! Agora tu entendeste o que é o amor neste mundo!

Beijo no coração das gurias e abraço nos xirús!

Gustavo Rocha

Blog do Gustavo Rocha – PensarFazBem
gustavo@gustavorocha.com  | (51) 98163.3333 |www.blogdogustavorocha.com.br

Dia internacional da mulher, quero dizer, do respeito.

Na história, dia de relembrar as bravas mulheres que foram queimadas vivas por lutarem por seus MÍNIMOS DIREITOS.

Na atualidade, dia de lembrar/perceber as mulheres que lutam pelos seus DIREITOS, ou seja, por aquilo que representa algo seu e não algo dado, esmola ou benesse.

Seja por gostar de entender de história para evoluir no presente e projetar o futuro, seja por compreender nesta data muito mais que um dia de flores, bombons e presentes, faço uma paráfrase e um resumo sintético em sua dedicatória.

A paráfrase é do texto do livro O Caçador de Pipas, onde ele menciona sobre o ato de roubar, aonde tudo de errado que existe é roubo ou uma variante de roubo:

“Existe apenas um pecado, um só. E esse pecado é roubar. Qualquer outro é simplesmente a variação do roubo. Quando você mata um homem, está roubando uma vida, está roubando da esposa o direito de ter um marido, roubando dos filhos o direito de ter um pai. Quando você mente, está roubando de alguém o direito de saber a verdade. Quando você trapaceia, está roubando o direito à justiça. Entende? Não há ato mais infame que roubar.”

– O Caçador de Pipas.

E como resumo sintético, afirmo que tudo nesta data se resume a respeito.

Respeito quando uma mulher diz não. Ela não quer dizer talvez, pode ser, ou ela não sabe o que está perdendo, ou ela ainda não sabe o que é bom pra ela. ELA SABE. E o não apenas quer dizer que na opinião dela, não é melhor pra ela. Respeitar o não é tão básico quanto respeitar a opinião do próximo (e infelizmente ainda estamos distantes de ambas as realidades).

Respeito a igualdade salarial. Pagamos diferente porque as mulheres podem gerar filhos, seria isto? Seria esta a nossa resposta enquanto empresas para a continuidade da raça humana? O que literalmente vejo são mulheres muito, mas muito mais capacitadas sendo menosprezadas por conceitos antigos, tanto quanto por fogo em pessoas vivas para tentar silenciar seus direitos.

Respeito às suas escolhas. Se a mulher escolheu uma roupa diferente, não ter filhos, ter filhos, enfim, se ela escolheu, respeite. Podemos discordar, afinal, a unanimidade é burra, já disse Nelson Rodrigues.  Entretanto, discordar não é subjugar a sua vontade sobre a vontade do próximo. Aliás, respeitar significa aceitar que ideias divergentes podem conviver pacificamente, pois o certo não é a ideia A ou ideia B, mas o respeito que se tem pelas crenças e verdades de cada um, independente de gênero.

Quiçá esta data tão importante deve ser mais do que apenas o dia internacional da mulher, deve ser o dia internacional do respeito à mulher.

Respeito, enfim, a tudo que representa a individualidade da mulher, assim, como a do homem, assim como das infinitas escolhas de gẽnero da atualidade.

Respeito, simples, direto, objetivo e muito profundo.

Respeito. Respeite. Aceite.

A vida flui quando respeitamos e aceitamos todos na sua existência de forma coexistente.

Beijo no coração das gurias e abraço nos xirús!

Gustavo Rocha
Blog do Gustavo Rocha – PensarFazBem
gustavo@gustavorocha.com  | (51) 98163.3333 |www.blogdogustavorocha.com.br