Disse o senhor Buda

Disse o Senhor Buda… Que não devemos crer em algo meramente porque seja dito; nem em tradições porque vem sendo transmitidas desde a antiguidade; nem em rumores; nem em textos de filósofos porque foram estes que os escreveram; nem em ilusões supostamente inspiradas em nós por um Deva (isto é, através de presumível inspiração espiritual); nem em ilações obtidas de alguma suposição vaga e casual; nem porque pareça ser uma necessidade análoga; nem devemos crer na mera autoridade de nossos instrutores ou mestres. Entretanto, devemos crer, quando o texto, a doutrina, ou os aforismos forem corroborados pela nossa própria razão e consciência. “Por isto” disse o Buda ao concluir, “vos ensinei a não crerdes meramente porque ouvistes falar, mas, quando houverdes crido de vossa própria consciência, então devereis agir de conformidade e intensamente.”

 

Grande verdade não é mesmo?

Acreditar menos no que se ouve apenas e conferir as fontes;

Viver mais intensamente a relação com o outro ser humano e menos com a máquina;

Fazer escolhas e assumir as consequências de seus atos;

Em suma, pensar, pensar e pensar e não apenas replicar o que outros pensaram, para que não sejamos sombras como o mito da caverna de Platão, e sejamos nós as luzes que iluminarão a nossa vida e de todos ao nosso redor.

 

Beijo no coração das gurias e abraço nos xirús!

Gustavo Rocha

Blog do Gustavo Rocha – PensarFazBem

gustavo@gustavorocha.com  |  (51) 8163.3333  |www.blogdogustavorocha.com.br

Porque gritamos

Budha perguntou a seus discípulos: “Por que gritamos quando estamos bravos? Por que as pessoas gritam umas com as outras quando estão furiosas?”.

Os discípulos pensaram durante algum tempo, até que um deles disse: “Porque perdemos a calma, gritamos por causa disso”.

“Mas, por que gritar se a outra pessoa está próxima de você?”, perguntou Buda. “Não é possível falar com ela usando um tom suave de voz? Por que gritamos com as pessoas quando estamos bravos?”.

Os discípulos tentaram dar outras respostas, mas nenhuma delas satisfez Buda.

Finalmente ele explicou: “Quando duas pessoas estão bravas uma com a outra, seus corações se distanciam. Para cobrir essa distância elas precisam gritar para poderem ser ouvidas uma pela outra”.

Então, Buda perguntou: “O que acontece quando suas pessoas se apaixonam? Elas não gritam uma com a outra, mas conversam suavemente. Por quê? Por que seus corações estão próximos. A distância entre eles é muito pequena…”.

Buda continuou: “Quando elas se amam ainda mais, o que acontece? Elas não falam, apenas sussurram, e se aproximam ainda mais uma da outra em seu amor. Finalmente, elas não precisam nem sussurrar, elas apenas olham uma para a outra e isso é tudo. O que mostra como duas pessoas estão próximas quando se amam”.

Traduzido do blog beyondtheopposites.com.

Não acredite

Não acredite em algo simplesmente porque ouviu. Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito. Não acredite em algo simplesmente porque esta escrito em seus livros religiosos. Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade. Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração. Mas depois de muita análise e observação, se você vê que algo concorda com a razão, e que conduz ao bem e beneficio de todos, aceite-o e viva-o.

Buda

Seria tão simples se todos pudessem agir assim…