https://pixabay.com/pt/photos/outono-folhas-de-outono-folhas-3763897/

Pra lá de verdadeiro, por Gustavo Rocha

Pra lá de verdadeiro, por Gustavo Rocha

(Um bom dia de 01 de Junho de 2020 para quem habita em meu peito)


Hoje  acordei com vontade de dizer o que sinto,

O que passa pela mente,

Dorme em minhas entranhas mais profundas,

Exara da alma que em mim abunda;


Hoje, dia amanheceu de maneira estranha,

Seja pela quarentena, isolamento sem ser isolado,

Amanheceu com dor e desejo,

Dia que inicia com muito almejo;


Vontade esta que exprimo em palavras e versos,

Apenas como forma, sem ser amplitude,

Posto que palavras aprisionam em significados e significâncias,

E o que sinto é infindo, livre e evolutivo!


E para dizer tudo isto com palavras e gestos,

Deixo meu bom dia com muito apreço,

Que a semana que inicia seja maravilhosa, abençoada,

E que possas neste instante saber que és uma pessoa amada;


Amor oriundo do sentimento mais profundo e sincero,

Amor não limitado aos pensamentos impuros ou verborrágicos de concupiscência, 

Um gesto simples como um bom dia e um poema,

Um carinho infinito do meu eu para o teu, em essência;


E neste gesto, fica também meu abraço e carinho desmedido,

Para que quando tudo isto passar possa ser novamente sentido,

Num resumo silábico e sincero:

Amor, amizade, carinho, isolamento e um bom dia pra lá de verdadeiro!

https://pixabay.com/pt/photos/deus-religi%C3%A3o-atravessar-1772560

Deus de Spinoza

Você sabia que quando Einstein deu uma conferência em várias universidades dos EUA, a pergunta recorrente que os alunos fizeram foi:

– Você acredita em Deus?

E ele sempre respondia:

Eu acredito no Deus de Spinoza.

Quem não leu Spinoza não entendia a resposta. 

Baruch De Spinoza foi um filósofo holandês considerado um dos três grandes racionalistas do século da filosofia, junto com o francês Descartes.

Este é o Deus ou a natureza de Spinoza:

Deus teria dito:

“Pare de ficar rezando e batendo no peito! O que quero que faça é que saia pelo mundo e desfrute a vida. Quero que goze, cante, divirta-se e aproveite tudo o que fiz pra você.

Pare de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que você mesmo construiu e acredita ser a minha casa! Minha casa são as montanhas, os bosques, os rios, os lagos, as praias, onde vivo e expresso Amor por você.

Pare de me culpar pela sua vida miserável! Eu nunca disse que há algo mau em você, que é um pecador ou que sua sexualidade seja algo ruim. O sexo é um presente que lhe dei e com o qual você pode expressar amor, êxtase, alegria. Assim, não me culpe por tudo o que o fizeram crer.

Pare de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo! Se não pode me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de seus amigos, nos olhos de seu filhinho, não me encontrará em nenhum livro.

Confie em mim e deixe de me dirigir pedidos! Você vai me dizer como fazer meu trabalho?

Pare de ter medo de mim! Eu não o julgo, nem o critico, nem me irrito, nem o incomodo, nem o castigo. Eu sou puro Amor.

Pare de me pedir perdão! Não há nada a perdoar. Se eu o fiz, eu é que o enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso culpá-lo se responde a algo que eu pus em você? Como posso castigá-lo por ser como é, se eu o fiz?

Crê que eu poderia criar um lugar para queimar todos os meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? Que Deus faria isso? Esqueça qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei, que são artimanhas para manipulá-lo, para controlá-lo, que só geram culpa em você!

Respeite seu próximo e não faça ao outro o que não queira para você! Preste atenção na sua vida, que seu estado de alerta seja seu guia!

Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso. Esta vida é só o que há aqui e agora, e só de que você precisa.

Eu o fiz absolutamente livre. Não há prêmios, nem castigos. Não há pecados, nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registro. Você é absolutamente livre para fazer da sua vida um céu ou um inferno.

Não lhe poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso lhe dar um conselho: Viva como se não o houvesse, como se esta fosse sua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir. Assim, se não houver nada, você terá usufruído da oportunidade que lhe dei.

E, se houver, tenha certeza de que não vou perguntar se você foi comportado ou não. Vou perguntar se você gostou, se se divertiu, do que mais gostou, o que aprendeu.

Pare de crer em mim! Crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero que você acredite em mim, quero que me sinta em você. Quero que me sinta em você quando beija sua amada, quando agasalha sua filhinha, quando acaricia seu cachorro, quando toma banho de mar.

Pare de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra você acredita que eu seja? Aborrece-me que me louvem. Cansa-me que me agradeçam. Você se sente grato? Demonstre-o cuidando de você, da sua saúde, das suas relações, do mundo. Sente-se olhado, surpreendido? Expresse sua alegria! Esse é um jeito de me louvar.

Pare de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que o ensinaram sobre mim! A única certeza é que você está aqui, que está vivo e que este mundo está cheio de maravilhas.

Para que precisa de mais milagres? Para que tantas explicações? Não me procure fora. Não me achará. Procure-me dentro de você. É aí que estou, batendo em você.”

  • Extraído de rede social na internet
https://pixabay.com/pt/photos/pessoas-mulher-viagens-aventura-2591874/

Por que?

Recebi o texto abaixo, que compartilho:

“Tu vais andando com a tua xícara de café… E de repente alguém te empurra fazendo com que tu derrames café  por todo o lado.

Por que tu derramaste o café?

Porque alguém me empurrou!

✔ Resposta errada!

Derramaste o café porque tu tinhas café na caneca.

Se tu tivesse chá… Tu terias derramado chá.

O que tu tiveres na xícara é o que vai se derramar.

Portanto… Quando a vida te sacode o que tiveres dentro de ti… Tu vais derramar.

Tu podes ir pela vida fingindo que a tua caneca é cheia de virtudes, mas quando a vida te empurrar, tu vais derramar o que na verdade existir no teu interior. 

Sempre sai a verdade à luz.

Então, terás que perguntar a si mesmo. O que há na minha caneca?

Quando a vida ficar difícil… O que eu vou derramar?

Alegria… Agradecimento… Paz… Bondade… Humildade?

Ou raiva… Amargura… Palavras ou reações duras?

Tu escolhes!

Agora… Trabalha em encher a tua caneca com gratidão… Perdão… Alegria… Palavras positivas e amáveis… Generosidade… E amor para os outros.

O que estiver na tua caneca, tu és o responsável.

E olha que a vida sacode. 

Às vezes sacode forte.

Sacode mais vezes do que podemos imaginar…”

Recebido do amigo Stanley Frazão