No mar, trezentos e sessenta e cinco dias

No mar, trezentos e sessenta e cinco dias

são quinze dias a menos em qualquer dos meses.
No mar sinto-me um relojoeiro,
homem sem pressa,
meditativo.
No mar não encontro defeitos em nada,
nem mesmo quando me dispo.
no mar não há cântaros rachados.
Não há conversas sobre a perfeição.
No mar sou um artífice igual,
tal é a perfeição do mar.
No mar não há zelos pela escuridão,
no mar só existe luz.
No mar só há avisos bons,
de animais,
do frio,
da natureza de que ninguém sabe.

Novembro de 2017
Texto: Manuel Peres

Crepúsculo

CREPÚSCULO

Suavemente chega o crepúsculo
com os seus cambiantes serenos
e reflexos fugazes
como etéreas folhas em queda
das árvores outonais

Arauto da noite próxima
prenúncio das horas leves
dos silêncios confortantes
e das solidões incógnitas

Refrescantes sombras crescentes
espalham-se sobre o cansaço
dos momentos já esgotados
na azáfama do dia
como um manto protector
de oblívios perdões

Efémera presença a tua
de brandos momentos tingidos
com tonalidades difusas
transitórios pedaços em mescla
de um bulício angustiado
e de um sossego ansiado

Cai a noite repousante
com os seus véus de mistério
encerrando a magia tépida
do crepúsculo passageiro

João Carlos Esteves, in “Gotas de Silêncio”, página 35, edições Temas Originais, 2011.

A mensagem

A mensagem

Hoje tenho um peso dentro do peito
E não suporto carregá-lo muito tempo
São deste, daquela, de muita gente
que leio dia a dia no meio da multidão
no silêncio de um grito urgente
pedindo tão só um aperto de mão

Por isso e mesmo que eu
também seja , porque sou,
uma pequena pedra
do mesmo rochedo
venho dizer-vos que não tenham medo
amem e transmitam a vida
não façam segredo

Se fizer frio, chuva ou tempestade
não se amedrontem que o dia serena
esqueçam-no, passem-lhe ao lado
esse é o maior e melhor aliado
Não deixar que seja um dia perdido
Que a vida corra seja mais veloz
Que vos ultrapasse e abafe a voz

O amanhã não se compadece
se passa na hora não reaparece

Segura o momento com toda a firmeza
E sem medo, afirma,
A tua certeza

A vida pode e deve ser,
vivida com um grande,
o maior prazer.

(Fernanda Lopes)