Pensar

” Filha, lembras-te do tempo em que eu passava tardes e tardes costurando?

– Lembro-me, mãe. Éramos tanto filhos, tantas roupas…

– A maior parte das vezes eu só fingia que costurava.

– Fingia? Fingia para quê?

– Os homens não gostam que as mulheres pensem em silêncio. Ficam desconfiados…

– Assim, enquanto eu costurava, o seu pai não suspeitava que eu pensava…Os meus pensamentos viajavam por todo o lado…Nesses escassos momentos, eu, Constança, era mulher sem ter que pedir licença, existindo sem ter que pedir perdão.”

Mia Couto, in 𝘖 𝘰𝘶𝘵𝘳𝘰 𝘱é 𝘥𝘢 𝘴𝘦𝘳𝘦𝘪𝘢

Sobre absurdos que até hoje temos que refletir para que não voltam a ser realidade….

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.