No mar, trezentos e sessenta e cinco dias

No mar, trezentos e sessenta e cinco dias

são quinze dias a menos em qualquer dos meses.
No mar sinto-me um relojoeiro,
homem sem pressa,
meditativo.
No mar não encontro defeitos em nada,
nem mesmo quando me dispo.
no mar não há cântaros rachados.
Não há conversas sobre a perfeição.
No mar sou um artífice igual,
tal é a perfeição do mar.
No mar não há zelos pela escuridão,
no mar só existe luz.
No mar só há avisos bons,
de animais,
do frio,
da natureza de que ninguém sabe.

Novembro de 2017
Texto: Manuel Peres

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s