Intuição x Razão

Divido este texto de Ricardo Frugoli com uma bela reflexão sobre o quão completos devemos ser se quisermos evoluir como seres completos.

INTUIÇÃO X RAZÃO

Por Ricardo Frugoli

A Intuição encontrou com a Razão para uma conversa, ou mais uma tentativa de algo parecido. Sempre que tentavam se comunicar uma com a outra, a Razão dizia que a Intuição era muito emocional e repentina.

A Intuição replicava que a Razão era muito fria e lógica, não fazia nada sem medir, sem pensar. Que a vida nem sempre é para ser entendida como uma equação.

– Eu também penso, sabia? Mas tem uma diferença. Sempre deixo espaço para o Inesperado, o Inusitado, o Alternativo se manifestarem. Eles também têm e querem dar sua opinião. E da combinação da opinião deles com a minha, grandes ideias podem surgir. Só você Razão, não dá conta do recado.

– Não preciso trabalhar em conjunto, tenho regras e técnicas para seguir.

– A vida é um conjunto de incertezas e aproximações, e hoje até os físicos sabem e admitem disso. Não dá mais para ficar achando que tudo pode ser medido, pesado, reduzido a um mecanismo.

– Mas comigo a humanidade obteve grandes descobertas que ajudaram em seu desenvolvimento.

– As ideias não vêm de uma só fonte, você tem de reconhecer.

– “A necessidade é a mãe da invenção.”

– Mas e aquelas ideias que a gente tem mesmo sem um propósito a seguir, um problema que pede uma solução?

– ” Penso, logo existo.”

– Além de pensar, temos nossos outros sentidos, ou você se tornou insensível?

– Também não precisa radicalizar. Até eu tenho meus momentos de divagação.

Claro, nada que eu vá levar a sério a ponto de substituir pelo raciocínio lógico.

– Realmente, em muitas coisas você é mesmo insubstituível.

Mas vamos fazer o seguinte. Assim que chegar nosso pedido, proponho que façamos uma experiência. Na verdade é mais uma brincadeira, para vermos até onde podemos ir com nossos estilos de pensamento.

– Lógico, o que mais poderia ser que não uma brincadeira? Você não leva nada a sério mesmo.

– Não pode trabalhar com um pouco mais de possibilidades? Para você que não sabe, brincadeiras são formas livres de trabalharmos com coisas sérias, mas sem os bloqueios da racionalidade.

– Não existe trabalho produtivo sem um método científico.

– Eu vou te mostrar quanto podemos usar de nossos sentidos para formar uma impressão mais definida sobre o que existe à nossa volta.

– E quando começamos esta “brincadeira”?

– Agora mesmo. O material necessário está chegando.

Veja, o garçom já está vindo com o nosso pedido.

– Como? Vamos usar comida para esta experiência?

– Não pense nisso como comida, mas objetos para interação.

– Agora você está sendo analítica Intuição.

– Fiz de propósito, para preparar o clima.

Vamos começar. Preparada?

– Sim, com certeza.

– Observe tudo o que o garçom deixou na mesa. Detenha seu olhar em cada uma das coisas por alguns segundos.

– Tudo observado com memória fotográfica.

– Ótimo. Esta xícara. O que você pode me dizer sobre ela?

– Branca, de cerâmica, lisa sem desenhos decorativos, com circunferência aproximada de 8 centímetros.

– Sem dúvida, uma boa descrição.

A Intuição pegou o bule e despejou café na xícara.

– Agora continue sua descrição.

– Como assim?

– Até agora para descrever o que observava você usou sua capacidade analítica, sua racionalidade. Para tornar mais completa sua descrição experimente usar também sua sensibilidade. Me diga o que pode sentir em relação a esta xícara usando sua capacidade sensorial.

– É contra meus princípios me envolver além do raciocínio. Mas como demonstração da minha boa vontade, tudo bem.

– Pegue a xícara. Agora você está usando o tato, pode sentir o peso e a temperatura. Sinta o aroma do café.
Agora prove um pouco. Então, o que achou?

– O café está muito bom mesmo.

– Engraçadinha. O que eu quis te mostrar com isso foi que podemos ter impressões mais completas se buscamos além do pensamos, o que sentimos.

Da primeira descrição para a segunda, você acrescentou as informações de mais 3 sentidos. Antes, havia observado à distância. Depois tocou, cheirou, degustou. Sua referência ficou mais completa somando sua parte sensível com a racional, não concorda?

– Tenho que admitir que sim, tem toda a razão. Nunca pensei que estas duas partes podiam conviver e se completar.

– Era isso o que eu pretendia te mostrar com esta “experiência”.

– Sabe o que mais? Vou continuar com a “experiência”, este café está uma delícia.

Fonte: http://www.contioutra.com/intuicao-x-razao/

 

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.