“DIÁRIO DE UMA PAIXÃO”: QUANDO O AMOR RESISTE, PERSISTE E VENCE

O amor verdadeiro persiste, resiste, chama de volta, clama pela sobrevivência, fortalecendo-se, vencendo a dor, a mágoa, a doença, as incertezas. O amor é o que fica, quando tudo o mais se foi.

“Diário de uma paixão” é um filme lançado em 2004, baseado no best-seller de Nicholas Spark, que retrata o amor entre Allie e Noah, dois jovens que se apaixonam e morrem juntos. Mais do que um romance açucarado, o enredo nos leva a refletir sobre a força do amor em nossas vidas, o amor verdadeiro, que persiste e resiste aos temporais e às escuridões à nossa voLta.

O tema é um velho conhecido: jovem pobre se apaixona por jovem rica, encontram a oposição dos adultos, separam-se e reencontram-se, porque o amor é ímã, é demora, procura mútua e despojamento sincero. Envolta por uma bela fotografia e por uma trilha sonora harmoniosa, a história de amor entre pessoas tão diferentes deixa-nos uma mensagem de esperança boa, de que existem, sim, amores duráveis.

Hoje, nada parece feito para persistir, tanto no que diz respeito aos bens materiais, quanto ao que se relaciona aos sentimentos. É mais fácil jogar fora um aparelho do que mandar consertá-lo. É bem mais fácil desistir do amor, diante das primeiras dificuldades, do que tentar superá-las. Tememos enfrentar os obstáculos que atravancam o encontro amoroso, porque muito provavelmente veremos que somos em grande parte causadores dos mesmos.

Para que consigamos superar os obstáculos que se interpõem entre nós e a consumação do amor completo, precisaremos nos despojar de vaidades, de egoísmo, enxergando nossa parcela de responsabilidade naquilo tudo – casal são dois, ou seja, estamos incluídos nessa jornada. Caso não estivermos dispostos a mudar em nós o que prejudica a entrega recíproca, continuaremos delegando ao parceiro a culpa integral do que nos aflige. E então daremos adeus a qualquer chance de sobrevivência amorosa.

Allie e Noah não se relacionavam com harmonia perfeita, muito pelo contrário; porém, conseguiam ter consciência das próprias falhas, dos defeitos do outro, de maneira a lutarem juntos na superação dos entraves. Amor que sobrevive depende disso, de que ambos se reconheçam imperfeitos e reconheçam no outro aquilo que desagrada, pois amor é clareza, certeza, é um voltar, sempre, apesar da distância, apesar dos outros, mas, principalmente, em favor de nós mesmos.

Assistir a tantos casais que já se amaram com intensidade distanciando-se por conta dos tombos que a vida insiste em nos dar é triste. Quando ainda resta dignidade, vale a pena investir na retomada daquele sentimento que uniu dois corações, mesmo que hoje estejam calejados e machucados. O amor verdadeiro, como retratado no filme, persiste, resiste, chama de volta, clama pela sobrevivência, fortalecendo-se, vencendo a dor, a mágoa, a doença, as incertezas. O amor é o que fica, quando tudo o mais se foi, pois é o que nos torna eternos por onde tenhamos respirado o ar da verdade.

Marcel Camargo

© obvious:  http://obviousmag.org/pensando_nessa_gente_da_vida/2016/diario-de-uma-paixao-quando-o-amor-resiste-persiste-e-vence.html#ixzz4DOhWYJxc
Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook

Uma das melhores sensações é saber que alguém gosta de você

Uma das melhores sensações é saber que alguém gosta de você

Por Raquel Brito

Saber que alguém gosta de nós é uma das melhores sensações que podemos sentir. É reconfortante e energizante. Saber que alguém quer ver você e falar com você, que se interessa em saber como você está, que tem um interesse sincero baseado no verdadeiro apreço. Isso é maravilhoso.

Algumas vezes, quando parece que nada pode ficar pior, chega essa pessoa e nos resgata com uma ligação, uma carícia, ou um olhar. Outras vezes basta uma mensagem rápida ou um cumprimento caloroso que lembre que somos queridos para levantar nosso ânimo.

Saber que estamos presentes na mente de alguém que se preocupa conosco e que somos capazes de despertar emoções e sentimentos em alguém é o nosso melhor salva-vidas, uma bóia que, sem dúvida, arranca o nosso melhor sorriso.

O amor dos outros é um salva-vidas

Existe um trecho de um livro de Paul Auster, “O palácio da lua”, que define perfeitamente o que sentimos quando o amor dos outros nos resgata do poço no qual caímos e do qual não podemos sair:

“Naquele momento eu o ignorava, está evidente, mas sabendo o que agora sei, é impossível ignorar aqueles dias sem sentir uma onda de nostalgia dos meus amigos. De certa forma, isso altera a realidade do que experimentei.

Eu havia pulado da beira de um penhasco e bem quando eu estava quase tocando no fundo, aconteceu um fato extraordinário: fiquei sabendo que havia gente que gostava de mim. O fato de alguém gostar da gente dessa forma muda tudo.

Não diminui o terror da queda, mas dá uma nova perspectiva do que esse terror significa. Eu havia pulado da beira e então, no último instante, alguma coisa me pegou no ar. Esse algo é o que eu defino como amor.

É a única coisa que pode deter a queda de um homem, a única coisa poderosa o suficiente para invalidar a lei da gravidade.”

Como vemos nesta maravilhosa definição, o amor daqueles que nos rodeiam é o nosso salva-vidas, a bóia que nos mantém a salvo mesmo quando estamos nos afogando e parece que nada tem solução.

O amor sincero não conhece o egoísmo e os interesses
O interesse sincero de quem gosta de nós não conhece egoísmo. Isso é uma coisa que se sente nos pequenos detalhes, que nos enfeitiça e que nos mantém conectados com nosso mundo emocional e com os relacionamentos.

Um mundo no qual às vezes vivemos tão alheios que nos esquecemos de que, como já disse Maslow, não podemos cumprir certas necessidades ou expectativas se não possuirmos como parte da base o amor, a afiliação e o vínculo com aqueles que nos rodeiam.

Sejam quais forem as premissas que nos mantêm de pé, estamos mancos quando não sentimos que alguém se preocupa conosco. Portanto, quando não temos a presença de alguém que contribua para nos sentirmos queridos, nos sentimos tristes e abandonados.

As nossas referências, as pessoas para as quais somos importantes
Precisamos nos relacionar e alimentar as nossas raízes para continuar crescendo, para que dos nossos galhos brotem lindas folhas que simbolizam o amor, a saúde e a prosperidade. Para a nossa autoestima e para manter o bom humor é fundamental ter referências, pilares nos quais possamos nos apoiar em um momento ruim, ou colocar a roupa de gala para dançar sem guarda-chuva sob a chuva da alegria.

Que gostem da gente mesmo quando tivermos cometido uma falha, que nos pareça incrível que deixem de lado a escuridão, que conheçam a nossa versão mais imperfeita e que nos mantenham ao seu lado, que nos guardem, que nos cuidem, que nos dêem um suspiro.
Porque a construção de um relacionamento enriquecedor depende, em grande parte, de que as asas dos outros queiram voar ao nosso lado, e queiram cuidar da cumplicidade de um amor puro e sincero que não conhece egoísmo.

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA
Ler mais: http://www.contioutra.com/uma-das-melhores-sensacoes-e-saber-que-alguem-gosta-de-voce/#ixzz4DObuyYRI

Estrelas não repetiam teu nome

Onde estou, espero por ti e amo-te. Olho para ti, e o meu olhar bei-ja-te. Canto, e é a ti que canto. O destino costuma sorrir-me com assombro, agora com um recado: aquele que mais ama é sempre mais feliz.
Entretanto, sinto que o meu corpo, que tem a idade do mundo, comemora também a alegria da descoberta do fogo. E isso diz-me que, provavelmente, já te amo desde o tempo em que as estrelas ainda não repetiam o teu nome.

Joaquim Pessoa
in GUARDAR O FOGO, 2.ª ed.
Editora Edições Esgotadas, 2013.