https://pixabay.com/pt/photos/ampulheta-rel%C3%B3gio-tempo-de-prazo-1703330/

Envelhecer

Nada, jamais, substituirá um companheiro perdido.
Ninguém pode recriar velhos companheiros.
Nada vale o tesouro de tantas recordações comuns, de tantas horas más vividas juntos, de tantas desavenças, de tantas reconciliações, de tantos impulsos afetivos.
Não se reconstroem essas amizades.
Seria inútil plantar um carvalho na esperança de ter, em breve, o abrigo de suas folhas.

Assim vai a vida.
A princípio enriquecemos.
Plantamos durante anos, mas os anos chegam em que o tempo destrói esse trabalho, arranca essas árvores.
Um a um, os companheiros nos tiram suas sombras.
E aos nossos lutos mistura-se então
A mágoa secreta de envelhecer…

Antoine de Saint-Exupéry

Seja o dia da tua verdade

Seja o dia da tua verdade
(Escrito por Gustavo Rocha para dia das crianças 2020)

Quando penso na criança,
Penso na minha criança interior,
Medos, anseios e desejos,
Penso em tudo que se passou;

Vejo nela nas minhas filhas também,
A cada palavra, gesto, atitude,
Cada sorriso novo,
Renovando minha vissicitude;

Data que para muitos não passa de um feriado,
Para outros, data de presentes,
Na minha visão,
Reflexão profunda da realidade as vezes ausente:

Conhecer a si mesmo requer muita vontade e profundidade,
Dor e aprendizado,
Amadurecimento e razão,
Sentidos que nem todos estão dispostos a encarar não;

Diante disto,
Meu bom dia neste dia é em tom de saudade e volição:
Saudade de brincar sem preocupações,
Volúpia de que possamos crescer sem perder esta volição!

Meu desejo, enfim, resta diáfano:
Bom dia pra você, eterna criança nesta existência,
Que cresça no que for preciso,
Sem esquecer que realmente é preciso,
Enxergar pelos olhos dos pequeninos;

Visão sem o embaço dos fatos duros e cruéis,
Sem malícias e maldades,
Apenas amor e verdade…
Quem dera fosse esta a nossa realidade…

E do meu eu para o teu,
Este sou eu: criança, quiçá infantil, pueril,
Sem perder a essência que forja o adulto que ora escreve para ti,
E afirma com veemência:

Para ti, que pulsa nas minhas entranhas,
Seja este o bom dia do dia das crianças,
Num desejo de vida na tua vida,
Como um rodopio em pura felicidade,
E neste olhar singular, seja o dia da tua verdade!

Em nome dos direitos humanos

Ela era uma mulher pobre e analfabeta, num país onde as mulheres não têm direitos.

Tratadas como moeda de troca ou compensação de qualquer prejuízo, elas são negociadas pelos pais.

Podem ser entregues ainda crianças para casamentos arranjados, que objetivam acalmar ânimos exaltados, em desacertos tribais.

Não podem escolher o homem com quem se desejam casar e, se afrontarem tal regra, pagam com a vida a desonra que atraem para a própria família.

Mukhtar vivia em sua aldeia e era respeitada porque, embora analfabeta, decorara o Corão e o ensinava às crianças, de forma gratuita.

Também auxiliava a renda familiar ensinando bordados a outras mulheres.

Cedo aprendera que no Punjab a mulher não tem o direito de escolhas ou de sonhos.

Um dia, ela foi levada até à tribo vizinha, considerada de casta superior, por seu pai e seu tio, a fim de pedir perdão, em nome da família.

É que seu irmão, de apenas doze anos, fora acusado de ter falado com uma jovem daquela tribo, desonrando-a.

O que se seguiu foi que o Conselho da tribo decidiu que Mukhtar deveria, a título de reparação, ser entregue aos homens do clã ofendido.

Ela foi agredida sexualmente por vários deles. Se nos primeiros dias após o ocorrido, ela desejou a morte, na sequência, resolveu lutar pelos seus direitos.

A atitude corajosa daquela jovem ferida e humilhada ocasionou um início de revolução quanto à situação da mulher em seu país.

Seu caso ganhou o noticiário internacional e ela foi convidada a se fazer presente em conferências, em vários lugares do mundo.

Com risco de sua própria vida e da de seus familiares, Mukhtar lutou por justiça.

Mas não somente para si. Para todas as mulheres que todos os dias têm seus direitos usurpados, feridos.

E, como reconheceu que houve muitos entraves no desenrolar do seu processo judicial, por ela não saber ler, nem escrever, tomou uma séria decisão.

Fundou uma escola para meninas. Com recursos do Estado e de outros países, ela conseguiu.

Se para construir a escola, ela teve o apoio internacional, para conseguir convencer os pais das meninas a deixá-las estudar, foi luta mais árdua.

Foi de porta em porta e, com o tempo, mais de duas centenas de meninas passaram a frequentar a escola.

Para assegurar a frequência, ela estabeleceu um prêmio por assiduidade.

Um prêmio que interessava às famílias: uma cabra para as meninas, uma bicicleta para os meninos.

Assegurar um futuro diferente para aquelas garotas, permitindo-lhes ter acesso ao conhecimento das leis, de seus direitos é o objetivo pelo qual trabalha.

Passou a ser conhecida, em seu país, como a grande irmã que deve ser respeitada, Mukhtar Mai.

Ela ainda sangra em sua alma ao recordar os anos de luta que teve que enfrentar, as calúnias que foram levantadas contra si.

Mas olha confiante o futuro, na certeza de que, se puder evitar que aconteça o que lhe aconteceu a outras meninas, adolescentes e mulheres adultas, terá valido a pena.

Mukhtar Mai, uma mulher de coragem lutando por direitos humanos.

Uma bandeira de estoicismo e bravura, que transformou a própria dor em luta pelos direitos das mulheres.

Redação do Momento Espírita com base no livro
Desonrada, de Mukhtar Mai, ed. BestSeller.
Em 1º.7.2020.